Archive for the ‘O Diável’ Category

Silvia Amarrada, Chicoteada e Salgada

15 dezembro 2008

A colunista de O Diável, Silvia Salgado, sempre muito bem informada, avisa:

O futuro presidente da Fundecan, Luiz Eduardo Crespo, tem alma de artista, o que só enriquece a sua biografia. Ele interpretou o galã na peça “Constantina”, de Samerset Mougman, em 2002, um sucesso estrondoso. Sonhava em repetir a experiência, ou seja, voltar a pisar no palco, mas com o novo cargo terá que adiar os planos“.

Acho que ela quis dizer Somerset Maugham, por extenso, William Somerset Maugham (25/01/1874 – 16/12/1965), mais conhecido por ser o autor de “Of Human Bondage” (1915), obra que a colunista deve achar que seja alguma narrativa sobre fetiche.

Anúncios

Hélio Cordeiro, um homem além do seu tempo

15 dezembro 2008

Em sua coluna em O Diável, o – valha o termo – jornalista disse:

Dia Internacional Contra Corrupção, celebrado na terça-feira próxima (…)

Vai ser bom, não foi?

Tema pulsante

21 maio 2008

O Diário
20.05.2008
Ação para proteger a lagosta
Telmo Filho

Policiais da 3ª Companhia de Polícia Florestal e Meio Ambiente de Campos (…) apreenderam cerca de 30 gaiolas para capturar lagostas, duas redes de nylon, três pulçares (sic), dois trabucos calibre 28 e uma espingarda calibre 32.

Veja só, “três pulçares“! A captura de lagostas há muito deixou de ser uma atividade de gente confiável. O que pretendiam com os “pulçares” (embora eu não os conheça)? Boa coisa não deve ser!

Bons tempos quando se usava apenas um único e singelo puçá. Ou, se tanto, dois puçás.

Redator insustentável

13 maio 2008

O Diário
13.05.2008
Editorial
Situação insustentável

A placa mãe (VÍRGULA) o computador que armazena todos os pagamentos efetuados pela prefeitura (VÍRGULA) foi apagada.

Vejam que maravilha. Além de desprezar o uso da vírgula, o sujeito é um total ignorante de noções elementares de informática. Confunde placa-mãe (olha o hífen, jumento!) com computador e sequer desconfia que a unidade de armazenamento é o disco rígido ou HD (hard disk).

SIC

13 maio 2008

O Diário
13.05.2008
Opinião
Painel Diário
Da Redação
Habeas corpus negado (2)

Jorge Mussi, ministro relator que negou o pedido de Alex Campos, fundamentou sua decisão. Mussi argumenta que “as investigações iniciadas, denotam um sólido esquema criminoso no município de Campos dos Goytacazes, do qual o paciente (Alex) integra, voltado para a prática de ilícitos em desfavor do erário público, tais como corrupção, lavagem de capitais, fraudes inúmeras, envolvendo a própria estrutura administrativa da municipalidade”.

Note que o jornal afirma ter o Ministro Mussi (STJ) argumentado que “as investigações…”. Na verdade, trata-se de citação, pelo Ministro, de decisão do Desembargador do Tribunal Regional Federal da 2ª Região que indeferiu pedido de concessão sumária de writ (mandado de segurança), mantendo a custódia cautelar de Alex Campos.

Ainda bem. Deporia contra a reputação do Ministro esse abominável “erário público“, de autoria do Desembargador do TRF. O substantivo “erário“, como o colunista de O Diável deveria saber, dispensa o adjetivo “público”, pois designa, por si só, conjunto dos recursos financeiros públicos; os dinheiros e bens do Estado.

Uma boa oportunidade para o uso do “sic”.

Há anos!

21 abril 2008

O Diário
21.04.2008
Caderno Dmais
A verdade sobre Tiradentes?
Cássio Peixoto

Daqui há 100 anos o que dirão de Lula, Fernando Henrique Cardoso, George W. Bush, Fernando Collor de Mello, Itamar Franco e outros personagens que ajudaram a construir a história do Brasil?

Eis o tipo de frase que pode dar nó cego na cabeça do leitor.

Afinal, se decorreram 100 anos (“há 100 anos“), correto seria indagar “o que disseram”, e não “o que dirão”.

Nem daqui a cem anos O Diável saberá distinguir uma preposição de um verbo. anos digo isso.

Abarrotado

10 abril 2008

O Diário
09.04.2008
Editorial
Caindo as máscaras

É conveniente que alguns segmentos levem em conta de que, acima de ser uma empresa comercial, um veículo de comunicação tem o dever de oferecer sua contribuição para a melhoria da sociedade como um todo, não apenas para abarrotar de dinheiro as contas de seus donos.

Vejam só, o próprio editorial (a voz do dono) admite: O Diável não apenas abarrota de dinheiro as contas de seus donos.

Decerto não com a venda de exemplares em bancas e receitas de assinantes e anunciantes.

Resta saber se o odioso pasquim cumpre “o dever de oferecer sua contribuição para a melhoria da sociedade como um todo”.

Impetrar

10 abril 2008

O Diário
09.04.2008
Opinião
Painel Diário
Da Redação
Limpeza conjunta

Desde as primeiras horas do dia de ontem, equipes da secretaria de Limpeza Pública, Coordenadoria de Fiscalização de Posturas, Centro de Controle de Zoonoses (CCZ) e Defesa Civil de Campos iniciaram um trabalho de ação conjunta, a fim de impetrarem (sic) junto aos terrenos baldios situados na área urbana, limpeza geral, providenciando dentro das necessidades, aplicação de venenos contra ratos e fazendo prevenção ao mosquito transmissor da dengue. O objetivo é incrementar as ações de recuperação urbanística, evitando o acúmulo de entulhos e lixo doméstico.

O que “impetrarem” está fazendo na nota? O sentido mais corriqueiro de impetrar é interpor recurso (em âmbito judicial). Pouco usual, pode significar, ainda, rogar ou suplicar. É óbvio que os órgãos municipais não impetraram coisa alguma; a ação conjunta pretendia tão somente realizar limpeza geral e combate a vetores biológicos em terrenos baldios.

Quem assina essa coluna em O Diável? Sujeitinho metido a escrever dificultoso!

Cu e opinião…

1 abril 2008

O Diário
31.03.2008
Opinião
Painel Diário
Da Redação
Reação

O Prefeito em exercício, Roberto Henriques (PMDB) reagiu com a sua (não, imbecil, com a minha) naturalidade habitual a (crase, por gentileza) informação de que o Tribunal Federal Regional havia recusado o recurso de Mocaiber para voltar ao cargo. Segundo Roberto, ele está cumprindo com (não há necessidade do “com”, aqui) sua obrigação, e enquanto a Justiça o manter (veja abaixo) no cargo (vírgula, por gentileza) cumprirá integralmente o compromisso assumido com (veja abaixo) a população.

Melhor dizendo, (…) enquanto a Justiça o mantiver (futuro do subjuntivo) no cargo, cumprirá integralmente o compromisso assumido para com*** a população.

*** O prefeito e a população não assumiram qualquer compromisso (ao contrário do que informa a nota em O Diável). Se tanto, o prefeito em exercício, observando a liturgia do cargo, assumiu, ou deveria assumir, compromissos para com a população. Dito de outro modo, “com” sugere, união, companhia, simultaneidade, o que não é o caso; “para com“, por sua vez, indica ação ou omissão (do prefeito, no caso) em relação a outrem (à população, idem).

A nota, como tantas outras pérolas de O Diável, está na coluna “Opinião”. É o que eu sempre digo: cu e opinião, todos os têm.

Cachorro morto

6 março 2008

O Diário
05.03.2008
Editorial
Mais Valia

O livre arbítrio (sic) é constitucional e repreender o ir e vir (sic) de um cidadão brasileiro significa afrontar a Constituição.

HÍFEN: Sinal diacrítico usado para ligar os elementos de palavras compostas. “Livre-arbítrio”, portanto.

Mas, divago. O que importa saber é que “livre-arbítrio” é um conceito filosófico e não se confunde com “o (direito de) ir e vir” e tampouco se trata de um preceito constitucional.

No mesmo editorial há um “na medida em que os bandidos criminosos“. Como disse? “Bandidos criminosos”? É isso mesmo?

Rogo que me digam: quem escreve os – valha o termo – editoriais de O Diável?